ABONG -  - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais

associe-se

conheça nossas associadas

Procure pelo nome em um dos campos abaixo:

selecione
selecione

Ou faça aqui uma busca detalhada:

selecione
selecione
selecione
selecione
  • APOIO

    • Pão Para o Mundo
  • REDES

    • FIP

Tudo o que uma mulher precisa saber para fazer um aborto depois de um estupro

06/06/2016

Aborto em caso de estupro é garantido por lei e deve ser feito na rede pública de saúde até a vigésima semana de gestação.

Toda vítima de estupro, de qualquer idade, tem direito a atendimento médico e suporte psicológico na rede pública de saúde. O tratamento deve ser respeitoso e o trauma que ela sofreu tem de ser levado em consideração pela equipe médica.

Embora seja um momento difícil, é importante que ela vá buscar essa ajuda em um hospital ou posto de emergência para receber a profilaxia contra as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), incluindo o vírus da Aids, e a pílula do dia seguinte, que evita uma eventual gravidez.

Mesmo assim, pode ser que ocorra uma gravidez. Neste caso, toda mulher que foi estuprada tem o direito legal de abortar. O aborto tem de ser praticado por médico, com o consentimento da gestante ou, no caso de incapaz, de seu representante legal.

Trecho do Código Penal que trata sobre os casos em que o aborto é permitido. Reprodução/Câmara dos Deputados / Via camara.gov.br

Este direito está garantido no artigo 128 do Código Penal Brasileiro, de 1940.

Antes, o aborto era permitido no Brasil em apenas duas situações: quando a mulher foi vítima de violência e quando a mãe corre risco de morte. A partir da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de 2012, esse direito foi estendido para casos em que, comprovadamente, o feto é anencéfalo (sem cérebro).

Manifestantes protestaram contra a cultura do estupro diante do STF, onde em 2012 os juízes aprovaram o aborto para casos de fetos anencéfalos. Evaristo Sa / AFP / Getty Images

A mulher não precisa fazer boletim de ocorrência para receber ajuda médica nem fazer o exame de corpo de delito.

Coehm / Getty Images

“Tornar esse exame obrigatório é uma segunda violência”, afirma a chefe da psicologia do Núcleo de violência sexual e aborto legal do hospital Pérola Byington, Daniela Pedroso.

O aborto legal pode ser feito com a gestação até 20 semanas ou com o peso fetal de 500 gramas.

Siri Stafford

Quanto mais rápido for o socorro, mais simples e sem riscos é o procedimento. No caso de gestação até 12 semanas, o processo é feito por aspiração, sem cirurgia.

A mulher não precisa ter ido à polícia para reportar o estupro, mas, ao procurar o atendimento, passará por avaliação de médico ginecologista, de psicólogo e assistente social.

Psphotograph / Getty Images

É bom lembrar que, mesmo sem ser obrigatório, denunciar o estupro pode ser uma forma de identificar e punir o agressor.

Um dos centros de referência no atendimento a vítimas de estupro no país é o Pérola Byington, que recebe 20 vítimas de estupro por dia, entre mulheres e crianças.

Reprodução / Via hospitalperola.com.br

Em média, são feitos seis procedimentos de aborto legal por semana. O atendimento é 24 horas, todos os dias. Localizado no centro de São Paulo, o Pérola Byington é mantido pelo governo estadual e por recursos do SUS (Sistema Único de Saúde). Por ser um centro de referência, para lá são encaminhados casos de todo o estado; e mulheres de diversos pontos do país procuram seu atendimento.

Fonte: Buzzfeed




 

PALAVRAS-CHAVE

  • PROJETOS

    • Informação, formação e comunicação em favor de um ambiente mais seguro para a sociedade civil organizada

Rua General Jardim, 660 - Cj. 81 - São Paulo - SP - 01223-010
11 3237-2122
abong@abong.org.br

design amatraca